Maroon 5 Rio 2012: Um garoto, um sonho e um show…


Veja agora todo o rolo para ir ao show do maroon 5

Não sei se todos sabem, mas há dois motivos de eu ter ficado afastado do blog por uma semana mais ou menos. O lance é que eu estava mudando, de novo. E o segundo é a história que eu vou contar agora.

Poucos sabem, mas aonde que eu vivi até um ano atrás, meus amigos não gostam das mesmas coisas do que tipo: Música, Filmes, Opções de diversão como ir no cinema, ou no shopping, ou simplesmente sair pra comer. Então eu aprendi a fazer as coisas que eu gosto sozinho. Ir aonde eu quiser sozinho, se tiver companhia bem se não tiver amém.

A história começa depois do pulo!

Vou explicar o título: O garoto sou eu, o sonho era de ir em um show internacional, e o show é o do Maroon 5 no Rio de Janeiro. Pois bem. Desde fevereiro, sim, fevereiro que eu estou programando ir nesse show, assim que os rumores começaram eu tive vontade de ir. O tempo foi passando e o rumor se tornando cada vez próximo da realidade. Até que foi confirmado.Tumblr_m8lp0skeey1rcgdz8o1_500_large

Trabalhando eu sabia que eu poderia bancar a minha ida ao show, mais os ingressos. Então animei, chamei minha colega de faculdade porque essa sim gosta das mesmas bandas do que eu e estávamos combinando de ir. As vendas abriram e menos de 3 dias esgotaram todos os ingressos e eu não consegui comprar o meu. Fiquei triste, mas pensei talvez de uma próxima vez né? Afinal, eu já perdi o show da Beyoncé mesmo – que foi no mesmo local ok? Acabou que a minha amiga também não comprou o ingresso. Então depois de uma semana reabriram ao venda pelo jeito foi que não pagou o cartão. Em um surto de sorte, cheguei em casa depois do serviço e ainda tinham ingressos pra vender. Eram apenas das cadeiras de nível 3, mas quem se importava? Era Maroon 5! Meu primeiro show internacional – na verdade era o segundo porque eu tinha ido em Copacabana pra ver o David Guetta na virada do ano. Whatever.

Ingressos comprados. Pagos, ótimo vou no show. Só que ainda não. Tão feliz com o ir no show eu me esqueci de que eu estava em Bicas e teria de ir para o Rio né? Esqueci mesmo, a minha mãe me lembrou uma semana antes de ir, procurou várias casas pra eu ficar, vans – acabei ligando pra Marcelle desesperado porque o idiota aqui não conseguiu encontrar nenhuma – acabou que na van também tinha acabado as vagas e iam muito tarde já que eu tinha que pegar o ingresso lá, porque o livepass não entregava em Bicas – fica aqui a minha reclamação viu? Eu sei que minha mãe me deu vários puxões de orelha e disse que eu ainda não estava preparado pra ir no show sozinho, legal me colocou mais medo ainda – te amo mãe – e eu tive de pensar em desistir pois eu não estava arrumando um lugar pra ficar. Até que em um surto de luz divina minha mãe achou um lugar pra eu ficar e melhor alguém que me deixaria no lugar do show e me levaria no final! Uhulll agora vai né show?!

Para agravar as situações corridas que eu passei nessa semana pré-show era quando eu consegui um apê em Juiz de Fora pra eu morar, tinha que resolver todos os problemas do apartamento e do show. Ou seja, não tinha concentração direito pra fazer nenhum nem outro em uma forma excelente. As falhas foram grandes e visíveis. A pior de todas? Ir para o Rio sem dinheiro nenhum, é isso mesmo. Sem nada, porque eu tive que comprar um cartão telefônico que a minha mãe disse que eu iria precisar e foi-se o meu dinheiro – últimos R$6,00 que eu tinha ok? Foi mais um puxão de orelha da minha mãe, que ria muito da minha cara. Eu estava tão atordoado com tudo (mudança e show ) acontecendo muito rápido que acabei esquecendo de pedir até dinheiro emprestado, porque eu só iria receber na sexta-feira da próxima semana. Sorte do dia: Mãe tinha R$ 80 que ela me emprestou e assim fui dormir.

221731981623788422_gzgcrc2w_f_large

No outro dia acordei cedo ansioso. Me arrumei, com a roupa que eu tinha planejado a um mês atrás – a única coisa além de querer ir no show planejada com antecedência – e eu fui acordar minha mãe. Descemos juntos para a estação aonde eu iria pegar o ônibus. 7:40 eu peguei o ônibus, minha perna tremia de nervoso, afinal eu estava indo do Rio de Janeiro sozinho, pro show do Maroon 5  e com a minha mãe dizendo que eu estava despreparado. Sentiu o drama?

Dormi a viajem inteira né? Não podia usar o celular porque estava com medo de que ele descarregasse, queria muito tirar fotos com o Instangram. Acordei já no Rio e reparando como a cidade é suja e mal cuidada – desculpem-me os cariocas, mas é essa cidade que vocês vão apresentar pra Copa e pras Olimpíadas?  O ônibus demorou um pouco pra chegar na Rodoviária e quando cheguei fiquei com medo porque não achei o amigo da minha mãe que iria me encontrar. Ele estava meio atrasado porque ele tinha curso de espanhol antes. Esperei um pouco e encontrei com ele. Saímos da rodoviária e fomos pegar um ônibus urbano pra chegar até na casa. Ótimo. Chegamos, almoçamos, fomos para o computador ver como chegar ao local do show, o HSBC Arena na Barra. Pegamos o numero de ônibus que deveria nos levar ao local.

7190352454_0eaca2feb6_z_large

Ótimo, as 16:00 saímos de casa. Fomos para o ponto, pegamos o ônibus e por volta das 17:00 chegamos no terminal da Alvorada na Barra. Começamos a procurar o ponto de ônibus. Problema: O terminal estava em obras! Uma bagunça total. Outro problema: Os números dos ônibus estavam totalmente trocados. Em fim, depois de muito tempo procurando, recebemos a informação que o numero de ônibus era o 832. Esperamos um tempo e nada de 832. Aí ele apareceu. Perguntamos se ela passava no Arena a resposta foi: “Sim, mas antes ele dá uma voltinha pela Barra.” eu respondi: “Ótimo, bom que a gente dá um passeio”. Só que a voltinha não era uma voltinha e sim 5! Eu e o amigo da minha mãe já estávamos quase voando no pescoço do motorista. Detalhe: Ele ainda resolveu dar uma paradinha pra tomar café – lembre-se: essa cidade é que vai sediar a Copa e as Olimpíadas. Depois de quase 2:00 dentro de  um maldito de um ônibus chegamos no Arena HSBC!

Ao descer do ônibus e ver aquele mundo de gente, meus  olhos começaram a brilhar. Naquele momento já tudo já tinha valido a pena. Era aquilo tudo que eu queria viver. Era essa a vida que eu queria ter. Eu estava assim: “F*da-se o tamanho da fila, eu vou ficar aqui esperar e eu não me importo” e quem me conhece sabe que eu simplesmente odeio esperar, mas era o meu sonho se tornando realidade. A primeira cobertura de um show pro Blog. Mesmo tudo dando errado. E esse post saindo atrasado.

Fiquei 3 horas na fila esperando para entrar, nesse tempo, como eu fui no show sozinho, acabei por fazer amizade com uma meninas de 14 anos na fila, as quais acabei assistindo o show junto e elas foram muito legais. Depois dessas três horas foi recompensador subir a rampa montada no Arena. Ter os seus documentos vistos, passar pela roleta. Ver o posts da Beyoncé e do Anderson Silva, ver a parede de artistas, subir muitas rampas até o nível 3. Finalmente encontrar uma cadeira de frente pro palco, com um gordo ocupando parte do meu assento. Mas na real, quem se importa?  Eu cheguei no meio do Javier Colon. Que fez covers incríveis, como Fix You do Coldplay.

Atenção: Não consigo falar sobre o show muito bem: Grandes emoções, baixo nível de especificidade. Seguem as noções gerais:

Keane

As atrações principais começavam abrindo: Keane. O que posso falar: Deu sono. O show era muito parado. O palco também não favorecia. Sem efeitos, muito sem graça, parecia uma bandeira de escola de samba – falo mesmo. O legal: O vocalista – que eu nem sei o nome(preferi não procurar no Google pra não mentir pra vocês) – cantou com a bandeira do Brasil o show todo. Outro fato engraçado: Eu só sabia uma música deles! Hahahah Sim, é verdade. Assim que acabou o show do Keane, começava a expectativa. O coração batia forte, era até meio difícil de respirar. Eu começava a ficar agitado. Cara estava prestes a acontecer. Em meia hora o Maroon 5 estaria se apresentando ali na minha frente.

Maroon 5

A Arena escureceu. Estava lotada. Todos aguardando o show. O silêncio. Ainda com as luzes apagadas o Maroon entra no palco. Aquela gritaria! E de repente… começa os primeiros acordes de Payphone e todos vão ao delírio. Daí pra frente fica impossível descrever o show. O coração já batia muito rápido. O show estava se realizando, com trilha sonora ao vivo e tudo mais. Foi simplesmente incrível. Eu amei, o remix com Michael Jackson, Shrillex e os remixes ao vivo. Moves Like Jagger, Daylight, o mento que o Adam rolou no chão de tanta emoção. Lucky Strike – que é a minha música favorita do novo CD – a versão acústica de She Will Be Loved. O guitarrista James, cantando e o Adam na bateria. O a parte mais linda: This love Cheia de balões vermelhos. Foi tanta emoção que só vendo os vídeos pra você ter uma ideia de como foi.

Até a próxima cobertura! (:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s